quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

VERDADES SOBRE O NATAL

Achei interessante a abordagem desse vídeo sobre o Natal. É um cordel muito bem elaborado e com certeza voce vai reavaliar o significado deste acontecimento. Aproveito par desejar Um Ano Novo de Vitórias para a sua vida. Deus abençoe voces.

Pr. Kelner, Mircia e Samuel

Veja o Vídeo:

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

COMO PERDER UM AMIGO

“Não ponhas muito os pés na casa do teu próximo; para que se não enfade de ti, e passe a te odiar.” (Provérbios 25:17)

É muito fácil perder aqueles a quem amamos quando não respeitamos (consciente ou inconscientemente) os limites que existem para cada relacionamento. Amizade é coisa muito séria, e para cultivá-la dentro dos padrões da confiança mútua requer tempo e dedicação. É tão gostoso podermos abrir nosso coração e ter conosco pessoas que podem nos aconselhar nos deixando tranqüilos em relação a segredos e intimidades. Quem tem um(a) amigo(a) companheiro(a), tem um irmão(irmã) de verdade, pois no sentimento da amizade verdadeira não há interesses pessoais ou sentimentais, mas amor (ágape) puro, que vem do coração de Deus. Dentro desse contexto que agrada a Deus (a amizade), importantíssima para a expansão do Reino de Deus e de uma igreja pura, existem regras divinas que fazem perpetuar os melhores relacionamentos, e conseqüentemente precisam de cuidados, pois satanás estará presente, procurando um descuido para fazer ruir todo o investimento que você fez nesta área.

Em primeiro lugar evite estar na intimidade do (a) seu (sua) amigo (a) o tempo todo. A passagem que abre a matéria é muito esclarecedora: “Não ponhas muito os pés na casa do teu próximo; para que se não enfade de ti, e passe a te odiar.” (Provérbios 25:17) Quem não se aborrece quando sua intimidade é freqüentemente invadida, invalidando momentos importantes na manutenção do relacionamento na família? Existe uma frase antiga, que tem sua origem na tradição oral e  no seu conteúdo carrega uma grande verdade: “A amizade quando é muito fina, pode se romper.” Estar ou participar da intimidade de um(a) amigo(a) é uma bênção quando solicitado. “Amigo é pra essas coisas”, costumamos falar, mas na hora certa e pelas razões certas. Manter uma neutralidade não é esquivar-se de ajudar, mas é prudente ser “o amigo da hora certa”, aquele que não importuna, que é sempre bem vindo. Esse terá liberdade em falar “verdades” que só um amigo verdadeiro pode falar.

Em segundo lugar não se envolva em seus assuntos se não for convidado. Há muito mais honra e valorização de uma amizade sadia quando conhecemos nosso lugar. Se formos “intrometidos” estaremos quebrando um elo importantíssimo do respeito mútuo e na maioria das vezes afastamos com essa atitude pessoas que fazem parte da nossa história. “Mas, quando fores convidado, vai, e assenta-te no derradeiro lugar, para que, quando vier o que te convidou, te diga: Amigo, sobe mais para cima. Então terás honra diante dos que estiverem contigo à mesa.” (Lucas 14:10). Saber esperar e manter-se à margem de assuntos dos amigos é prova de amizade. Ser convidado a ajudar é o momento propício dado por Deus, e a prova que seu amigo precisa de você e lhe ama o suficiente para confiar sua própria vida. Está escrito: “Em todo o tempo ama o amigo e para a hora da angústia nasce o irmão.” (Provérbios 17:17)

Em terceiro lugar, não mantenha sua amizade por interesses. Muitas pessoas tem o péssimo hábito em criar uma certa dependência a pessoas que as têm como amigos de verdade. Este tipo de amizade dura até que a pessoa perceba que está sendo subtraída em favores, e que esta é a real intenção do relacionamento. Está escrito: “Muitos se deixam acomodar pelos favores do príncipe, e cada um é amigo daquele que dá presentes.” (Provérbios 19:6) A amizade pura não está acompanhada de inveja, hipocrisia ou qualquer outro sentimento danoso. Na verdade, o amigo verdadeiro está junto para o que der e vier, em qualquer momento por causa de laços divinos. Em Provérbios 22:11, está escrito: “O que ama a pureza de coração, e é amável de lábios, será amigo do rei.” É do coração sincero que nasce a verdadeira amizade. Procure manter seus relacionamentos na base da pureza e fidelidade, não precisa de mais nenhum ingrediente.

Só pra finalizar, você tem conseguido manter seus relacionamentos? Eles são duradouros ou você tem tido dificuldades nesta área?  Deus tem amigos de verdade pra você, porque Ele te criou para vivenciar verdadeiros relacionamentos e quer que você ame-os incondicionalmente, do jeitinho que eles são. Mudanças acontecem a partir da confiança, verdade e amor que podem ser gerados a partir uma amizade bem equilibrada. O Senhor quer te usar nos relacionamentos que você tem, talvez precise que você também mude um pouquinho para que isso aconteça.

Pr. Kelner Alcântara Queiroz

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

A ARTE DE SE DEFENDER

Às vezes eu me pergunto: ao que nos mantêm vivos? O que nos sustenta em tremendas lutas que parecem tão intransponíveis? Em nossa frágil existência, conseqüência do pecado em Adão, muitas vezes tentamos nos defender com respostas duras, resultado das experiências que nos marcaram profundamente, deixando seqüelas na maioria das vezes “permanentes”. Carregamos em nossos lombos a autodefesa quando por vezes um pálio de desconfiança nos surpreende. Somos ouriços armados, alertas a qualquer sinal de perigo, temos sempre uma palavra na ponta da língua que, na maioria das vezes aponta para nossa sensibilidade à flor da pele. Vivemos também assim dentro das portas da nossa comunidade; afiados, alertas, e muitas vezes não contra satanás, mas contra nossos próprios irmãos. As experiências duras que passamos precisam ser diluídas ao sabor da Palavra de Deus. As pessoas que conhecemos e que estamos aprendendo a amar não precisam ser alvo de uma resposta rápida e sem reflexão. Em Provérbios 15:1 está escrito assim: “A resposta branda desvia o furor, mas a palavra dura suscita a ira.” Precisamos deixar O Senhor trabalhar em nossas feridas. Devemos deixar O Senhor tratar essas seqüelas que outros deixaram em nós, primeiramente perdoando-os de todo o nosso coração, independentemente do que fizeram em nós, isso é bíblico, ou mesmo deixar Deus moldar o nosso temperamento como o barro é amassado pelo oleiro, até que chegue à forma que O Senhor deseja de nós. ( Jr. 18:1-6). Uma igreja sadia começar a tratar-se através de mudança de comportamento, no tratamento com o próximo e por fim deixando as ansiedades aos pés daquele que pode resolver todas as coisas.( 1 Pedro 5:7 “lançando sobre ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós.”) Pense nisso: Uma palavra amiga pode colaborar para mudar toda uma história. Que seja a nossa história! Provérbios 25:15 Pela longanimidade se persuade o príncipe, e a língua branda quebranta os ossos.

Pr. Kelner

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

NÃO PERCA TEMPO COM BOBAGENS

"Portanto eu lhes digo: não se preocupem com suas próprias vidas, quanto ao que comer ou beber; nem com seus próprios corpos, quanto ao que vestir. Não é a vida mais importante do que a comida, e o corpo mais importante do que a roupa? Observem as aves do céu: não semeiam nem colhem nem armazenam em celeiros; contudo, o Pai celestial as alimenta. Não têm vocês muito mais valor do que elas? Quem de vocês, por mais que se preocupe, pode acrescentar uma hora que seja à sua vida?”  (Mateus 6:25-27)

Perdi muito tempo da minha vida pensando no que os outros pensavam ao meu respeito. Essa é uma grande brecha, um prato cheio para o inimigo das nossas almas. Quando você sempre espera que as pessoas vão te retribuir com o mesmo carinho ou a mesma presteza com que você agiu, ou mesmo quando você sabe que está sendo “queimado” por pessoas que coloca toda a sua confiança, e perde tempo preocupado com isto, está da mesma forma dando motivos para si mesmo embarcar em um estado emocional que não é nada motivador. Infelizmente alguns só percebem que entraram nesta arapuca, quando já estão tomando alguma medicação para dormir ou até mesmo precisando da ajuda de algum profissional para encontrar novamente a motivação perdida. Eu não havia entendido ainda a afirmação do Senhor Jesus quando falou: “amarás o teu próximo como a ti mesmo” (Mateus 19:19b)

Não podemos excluir a falta de maturidade em nós quando nos sujeitamos a este tipo de dependência, algo que, em certo momento de nossas vidas nos atingiu, sem que soubéssemos resolver naquele instante, e isso ficou registrado em nosso inconsciente, de forma que, ao nos depararmos com uma situação semelhante, sem percebermos estamos repetindo todo o processo, dificultando assim a esperança da cura que tanto necessitamos. Amar a si mesmo é em si mesmo, aprender a lidar com os sentimentos, gerenciá-los e não permitir que eles nos machuquem, ou seja, não dar “bola” e seguir em frente.  Jesus nos mostra com palavras carinhosas “Não andeis ansiosos” ou “Não se preocupem”. Vivam a vida da maneira correta e não se perturbem com falsos amigos, fofoqueiros, mentirosos e não acrescentem o problema dos outros à sua vida. Jesus acrescenta: “Eu não cuido até dos passarinhos? (paráfrase minha) vou cuidar de você também.

Olha só, ainda dá tempo de você cuidar de si mesmo e valorizar a vida que Deus te deu. Você é importantíssimo para Jesus e tem muito valor. Tua cura se inicia quando não mais der ouvidos a estas bobagens e seguir em frente de maneira madura, sabendo valorizar-se e investindo em sua saúde espiritual e emocional.

Pr. Kelner Alcântara Queiroz

domingo, 5 de setembro de 2010

NEM UMA HORA?

João 4:23 "Mas a hora vem, e agora é, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade, porque o Pai procura a tais que assim o adorem."

Nosso tema é bem sugestivo: É hora! Afinal de contas, é hora de que? O que nós queremos deste tema, ou, onde Deus quer trabalhar em nós! Este não é um assunto exclusivo da juventude, ou dos mais experientes na idade, não! É uma necessidade de toda a comunidade que afirma “adorar o Pai em espírito e em verdade”. Se pararmos para refletir, com um pouco de observação, entenderemos a urgência de acordar, resistir, e vencer. Desviamos nossa atenção para tantas coisas que nos afastam do nosso objetivo e muitas vezes o nosso envolvimento com estas coisas nos afastam totalmente da presença do Senhor. Esta bandeira: “É hora” também sugere, de maneira mais específica três pontos que iremos abordar nesta quinzena e em nosso retiro: de chegar junto (Não ser indiferente), de despertar e de permanecer resistindo contra tudo que se antepõe à uma vida cristã saudável. Na passagem definida para o evento, Jesus nos aponta uma realidade: “Mas a hora vem, e agora é...” A palavra “agora”, ou “já chegou” é definido como: neste tempo, o presente, já! Isto é Deus trata nossas mudanças como sendo de caráter imediato. Não posso ficar pensando em ter uma vida longe da Palavra de Deus e sua presença para no dia que eu achar propício mudar, ou como alguém já falou: Jesus não vai voltar tão cedo, pra que me preocupar com isto agora? Quero lembrar que o próprio Jesus disse: “Mas considerai isto: se o pai de família soubesse a que vigília da noite havia de vir o ladrão, vigiaria e não deixaria que fosse arrombada a sua casa. Por isso, estai vós apercebidos também, porque o Filho do Homem há de vir à hora em que não penseis”.(Mt. 24:43-44) E hora de pensar em tudo isto. Em Apocalipse 3:3 somos advertidos: Lembra-te, pois, do que tens recebido e ouvido, e guarda-o, e arrepende-te. “E, se não vigiares, virei sobre ti como um ladrão, e não saberás a que hora sobre ti virei.” Uma vida santa diante do Senhor, poder ser até “ultrapassada” para alguns, mas nos levará à presença de Deus e à uma vida correta e pura.
É hora de despertar - Mateus 26:40 E, voltando para os seus discípulos, achou-os adormecidos; e disse a Pedro: Então, nem uma hora pudeste vigiar comigo?

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

COMUNHÃO NA COMUNIDADE CRISTÃ

João 7:20-21

20 Não rogo somente por estes, mas também por aqueles que vierem a crer em mim, por intermédio da sua palavra;
21 a fim de que todos sejam um; e como és tu, ó Pai, em mim e eu em ti, também sejam eles em nós; para que o mundo creia que tu me enviaste.
A fim de que todos sejam um...” soa como um grito de esperança numa época tão individualista e seca. Cristãos amargos, vazios, “religiosos”, rancorosos, e desesperançados tem ocupado os bancos das nossas igrejas. Nosso modus vivendi tem tropeçado na falta do conhecimento da Palavra de Deus e muitas vezes na incompatibilidade com os preceitos divinos. A proposta de Deus para as nossas vidas é o encontro! O ser humano foi criado para vivenciar encontros que revelem a presença do Altíssimo, abrindo portas para o “outro”, criado à imagem e conforme a semelhança de Deus. Encontros fortalecem a “koinonia” tem por base o amor e o diálogo, promovendo a unidade na diversidade que é tão forte em nossos dias.

A fim de que sejamos um” precisa ser um grito nosso, da nossa igreja, de cada um de nós. Aprender a viver “uns com os outros” desperta avivamentos, encoraja os fracos, cura enfermos, liberta cativos e fortalece a comunidade em que nós vivemos. Nós somos responsáveis pela manutenção do Reino de Deus, quando exercemos nosso dever de rever nossa humanidade, crucifiando o nosso ego e permitindo que os valores de Cristo substituam totalmente os nossos próprios valores (Gálatas 2:20 Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne vivo-a na fé do Filho de Deus, o qual me amou e se entregou a si mesmo por mim.). Não digo que seja fácil, mas tentar já é um bom começo, pois o próprio Jesus falou que sua presença se cumpriria quando dois ou três se reunissem em seu nome (Mateus 18:20) Comunhão só a partir de dois, nunca sozinho. É promessa! Jesus estará presente quando exercermos uma comunhão verdadeira. Pense nisso: Nós fomos criado para encontros e não desencontros!

Pr Kelner Alcântara Queiroz

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

CONVICÇÃO DA PRESENÇA DE DEUS

Uma das primeiras coisas que pergunto à igreja quando vou ministrar a Palavra de Deus é se as pessoas que vieram ao culto têm, no mínimo, idéia de que O Criador do Universo está presente naquele lugar. Padronizamos nosso relacionamento com Deus de uma maneira básica e desinteressada, talvez por conta da rotina do “ir à igreja”, ou pelo fato de não termos na realidade nenhum tipo de relacionamento com Ele mais comprometido. Entendo que a falta de experiências vivas com Deus, tem mumificado as relações fundamentais do homem com o seu criador. Estamos vivendo em uma geração onde muitos tem buscado ouvir as experiências de outras pessoas. Cultos de poder, profetas os mais diversos, shows e programações que massageiam o ego, em detrimento da necessidade de ter uma busca pessoal, e conhecer a Deus mais de perto. Há muito tempo, ouvi de um missionário que trabalhava evangelizando índios falando da dificuldade da tradução da Bíblia onde costumes se confrontam e não ajudam a sua interpretação. Dizia ele: Em uma grande oca, como traduzir: “Mas tu, quando orares, entra no teu aposento e, fechando a tua porta, ora a teu Pai que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará publicamente.” (Mateus 6:6). Ele precisava encontrar uma maneira para que aqueles homens e mulheres entendessem o significado de: “Entra no teu quarto (...) e ora em secreto...” em um contexto totalmente diferente. Era necessário mostrar a eles como ter uma experiência pessoal com o Senhor. Com o tempo ele descobriu que cada índio tinha uma “trilha” pessoal na mata onde só ele podia passar. Então o missionário traduziu assim: “Quando orares toma a tua trilha...” Algum tempo depois um certo índio veio falar ao missionário sobre um amigo dele que não estava orando, então o missionário perguntou: como você sabe disto? Ao que ele respondeu: “O mato da trilha dele está muito alto!” Agora com certeza a compreensão da Palavra de Deus mostrava a diferença de ter ou não ter uma experiência com o Senhor, mesmo em condições totalmente diferentes da nossa. Nossa falta de comunhão com Deus é revelada em nossos caminhos, e muitas vezes o capim da nossa trilha está muito alto.
Você tem convicção da presença de Deus em sua casa? Na igreja onde você freqüenta? Em seus relacionamentos? Se não tem, é porque você necessita de uma experiência com o teu Criador. Foi assim com Natanael. Preste a atenção na leitura abaixo:

João 1:45-51

Filipe achou Natanael, e disse-lhe: Havemos achado aquele de quem Moisés escreveu na lei, e os profetas: Jesus de Nazaré, filho de José.
Disse-lhe Natanael: Pode vir alguma coisa boa de Nazaré? Disse-lhe Filipe: Vem, e vê.
Jesus viu Natanael vir ter com ele, e disse dele: Eis aqui um verdadeiro israelita, em quem não há dolo.
Disse-lhe Natanael: De onde me conheces tu? Jesus respondeu, e disse-lhe: Antes que Filipe te chamasse, te vi eu, estando tu debaixo da figueira.
Natanael respondeu, e disse-lhe: Rabi, tu és o Filho de Deus; tu és o Rei de Israel.
Jesus respondeu, e disse-lhe: Porque te disse: Vi-te debaixo da figueira, crês? Coisas maiores do que estas verás.
E disse-lhe: Na verdade, na verdade vos digo que daqui em diante vereis o céu aberto, e os anjos de Deus subindo e descendo sobre o Filho do homem.

Natanael possuía um conhecimento básico do Criador, mas não tinha ainda uma experiência com Ele. Por isso comentou com certo sarcasmo: “: Pode vir alguma coisa boa de Nazaré?”, mal sabia ele que a sua proximidade com O Cristo iria gerar fé em sua vida. Isso foi o “antes” na vida de Natanael. O “depois” foi o melhor, ele conheceu a Jesus profundamente e ainda recebeu do Senhor a promessa que ainda teria mais experiências com Ele. Ser visto em baixo de uma figueira era muito pouco diante do que Deus queria fazer com ele. Creia que Deus quer estar presente em todos os momentos da sua vida, mas é necessário primeiro que você creia nisto. Ele te ama muito mais do que você imagina e deseja fazer parte da tua vida. Nesta geração tão vazia e materialista O Senhor tem buscado pessoas como você para revelar o seu infinito amor. Você não quer ter uma experiência com Deus? Ele diz assim: “Buscar-me-eis e me achareis, quando me buscardes de todo o vosso coração” (Jer. 29:13) Isso não é só para alguns, é para você também!

domingo, 6 de junho de 2010

O DESAFIO DE CONVIVER

Mateus 6:5-15

5 “E quando vocês orarem, não sejam como os hipócritas. Eles gostam de ficar orando em pé nas sinagogas e nas esquinas, a fim de serem vistos pelos outros. Eu lhes asseguro que
eles já receberam sua plena recompensa.
6 Mas quando você orar, vá para seu quarto, feche a porta e ore a seu Pai, que está em secreto. Então seu Pai, que vê em secreto, o recompensará.
7 E quando orarem, não fiquem sempre repetindo a mesma coisa, como fazem os pagãos. Eles pensam que por muito falarem serão ouvidos.
8 Não sejam iguais a eles, porque o seu Pai sabe do que vocês precisam, antes mesmo de o pedirem.
9 Vocês, orem assim: “Pai nosso, que estás nos céus! Santificado seja o teu nome.
10 Venha o teu Reino; seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu.
11 Dá-nos hoje o nosso pão de cada dia.
12 Perdoa as nossas dívidas, assim como perdoamos aos nossos devedores.
13 E não nos deixes cair ema tentação, mas livra-nos do mal, porque teu é o Reino, o poder e a glória para sempre. Amém.
14 Pois se perdoarem as ofensas uns dos outros, o Pai celestial também lhes perdoará.
15 Mas se não perdoarem uns aos outros, o Pai celestial não lhes perdoará as ofensas.

Conviver (lat convivere) vti e vint Ter convivência, ter intimidade, viver com outrem. Depois de começar e conhecer aqueles que estão ao seu redor, é necessário se integrar no grupo, ou seja, incluir-se de maneira coerente de maneira tal que todos os que estão em seu grupo possam se conhecer melhor, e assim, torná-lo forte. (Dic. Michaellis)

“Aprendemos a voar como pássaros, e a nadar como peixes, mas não aprendemos a conviver como irmãos.”
Martin Luher King

A convivência é um grande desafio, pois passa pela regra da intimidade com Deus. Se eu não conseguir “conviver” com o meu irmão voluntariamente, como posso dizer que amo a Deus que não o vejo? (I Jo. 4:20 – “Se alguém afirmar: “Eu amo a Deus”, mas odiar seu irmão, é mentiroso, pois quem não ama seu irmão, a quem vê, não pode amar a Deus, a quem não vê.”) Conviver exige de nós pelo menos três atitudes:

1.       A atitude de ter uma comunhão verdadeira com Deus (v. 9b) – Quando Jesus orou “Pai nosso...” Ele estava proclamando a seriedade da convivência revelando o propósito para qual a igreja iria ser constituída. Não existe igreja sem comunhão com Deus e não existe comunhão com Deus sem um relacionamento “maduro” entre irmãos.

ü  Se você ama a Deus precisa amar o seu irmão. É uma ordem! (I Jo. 4:21 “Ele nos deu este mandamento: Quem ama a Deus, ame também seu irmão.”)
ü  Preciso manter um compromisso verdadeiro com Ele, pois Ele já tomou a iniciativa a nosso respeito. (I Jo. 4:19 “Nós amamos porque ele nos amou primeiro.”)

2.       A atitude de estar no centro da Vontade de Deus. (v. 10b) – Quando nós sentimos que estamos fazendo a vontade do Pai, é a confirmação de que já tenho uma comunhão com Ele. É estar sempre disposto a obedecê-lo sem reservas. Esta atitude me faz reavaliar as posturas tomadas em relação ao meu próximo e resolver todas as pendências com ele.

ü  Fazer a vontade de Deus é Ser discípulo de Jesus.  (João 13: 35 “Com isso todos saberão que vocês são meus discípulos, se vocês se amarem uns aos outros”.)
ü  Fazer a vontade de Deus é aprender a conviver aceitando o próximo sem restrições.  (Rm. 15: 7 “Portanto, aceitem-se uns aos outros, da mesma forma que Cristo os aceitou, a fim de que vocês glorifiquem a Deus.”)

3.       A atitude de perdoar. (v. 12b) – Palavrinha difícil essa que atrapalha a comunhão dos santos. É mais fácil aturar, pra alguns. Não é assim que Jesus ensinou em relação à convivência que precisamos desenvolver com o nosso irmão. Desenvolver um caráter cristão passa sem sombra de duvida pelo poder de perdoar. Quando Jesus diz: “... assim como perdoamos..., arremata que não existe outra via para o perdão de Deus para as nossas vidas, passa pelo funil do relacionamento com o próximo.

ü  Não existe convívio cristão onde não há perdão. (Ef. 4:32) 32 “Sejam bondosos e compassivos uns para com os outros, perdoando-se mutuamente, assim como Deus os perdoou em Cristo.”
ü  A atitude de perdoar precisa ser sincera. (Lc. 17:3-4) “Tomem cuidado.“Se o seu irmão pecar, repreenda-o e, se ele se arrepender, perdoe-lhe. Se pecar contra você sete vezes no dia, e sete vezes voltar a você e disser: ‘Estou arrependido’, perdoe-lhe”.
ü  O perdão traz cura pra você e pra quem você perdoou. (Marcos 2:9-12) “Que é mais fácil dizer ao paralítico: Os seus pecados estão perdoados, ou: Levante-se, pegue a sua maca e ande? Mas, para que vocês saibam que o Filho do homem tem na terra autoridade para perdoar pecados” disse ao paralítico “eu lhe digo: Levante-se, pegue a sua maca e vá para casa”. Ele se levantou, pegou a maca e saiu à vista de todos, que, atônitos, glorificaram a Deus, dizendo: “Nunca vimos nada igual.”

MANTENDO A UNIDADE (PARÁBOLA ATUAL)

Durante uma era glacial, muito remota, quando parte do globo terrestre esteve coberto por densas camadas de gelo, muitos animais não resistiram ao frio intenso e morreram, indefesos, por não se adaptarem às condições do clima hostil.
Foi então que uma grande manada de porcos-espinhos, numa tentativa de se proteger e sobreviver, começou a se unir, e juntar-se mais e mais.
Assim, cada um podia sentir o calor do corpo do outro.
E todos juntos, bem unidos, agasalhavam-se mutuamente, aqueciam-se enfrentando por mais tempo aquele forte inverno.
Porém, vida ingrata, os espinhos de cada um começaram a ferir os companheiros mais próximos, justamente aqueles que lhes forneciam mais calor, aquele calor vital, e afastaram-se feridos, magoados, por não suportarem mais tempo os espinhos dos seus companheiros.
Doíam muito...
Mas, essa não foi a melhor solução: afastados, separados, logo começaram a morrer congelados, os que não morreram voltaram a se aproximar, pouco a pouco, com jeito, com precauções, de tal forma que, unidos, cada qual conservava uma certa distância do outro, mínima, mas o suficiente para conviver, resistindo à longa era glacial.
Sobreviveram...
É fácil trocar palavras, difícil é interpretar os silêncios !
É fácil caminhar lado a lado, difícil é saber como se encontrar !
É fácil beijar o rosto, difícil é chegar ao coração !
É fácil apertar as mãos, difícil é reter o seu calor !
É fácil sentir o amor, difícil é conter sua torrente !


A saúde do seu grupo e a sua, depende de como você convive com seus irmãos. Você precisa deles, ele precisa de você. Estar em comunhão com Deus, fazer sua vontade e perdoar quem lhe ofendeu são pontos básicos para o convívio. Deixa Deus te curar para que você possa aproveitar o melhor da comunhão com os santos ai onde você se reúne.

sexta-feira, 21 de maio de 2010

EXISTEM AMIGOS DE VERDADE SIM!

Existem fatos em nossas vidas que são inesquecíveis. Em minha memória, guardo boas lembranças da época de colégio. Eu estudei no Colégio Americano Batista em Recife, e havia um momento na semana, chamado lecção, onde reuníamos e entre palestras, cantávamos juntos com os outros alunos. Uma canção, me chamou a atenção e ficou guardado em minha memória, ela fala sobre a amizade verdadeira. Se não esqueci dos detalhes ela é assim:


Se uma boa amizade você tem,
Louve a Deus pois amizade é um bem.
Toda boa amizade você deve conservar,
Como é bom quando se sabe amar.
Amizade vem de Deus e a Deus deve levar,
Como é bom quando se sabe amar.


Uma boa amizade é mais forte do que a morte.
Mesmo longe, na saudade,
a amizade vai ficando até mais forte.
A amizade é na vida uma canção.
A amizade faz cantar o coração.
Ser amigo é fazer ao amigo todo o bem.
Como é bom saber amar alguém!
A amizade vem de Deus e a Deus deve levar.
Como é bom quando se sabe amar!

Amizade é na vida uma canção... 
Amizade faz cantar o coração... 
Ser Amigo é fazer ao amigo todo o bem... 
Como é bom saber Amar alguém!

 A amizade vem de Deus e a Deus...

Poemas como esse são capazes de criar em nós um vínculo de conceitos que nos ajudam a continuar crendo no poder de uma amizade verdadeira. Os valores colocados em nós durante o percurso da nossa vida tem o poder de juntar ou espalhar, construir ou destruir, começar ou nunca tentar. Já passei, desde que cantei pela primeira vez essa música, por experiências que marcaram a minha história em todos os sentidos: Alegrias, decepções, sentimentos de derrota, e muitas vitórias, e dentro deste contexto, os princípios contidos nesta mensagem ficaram marcados profundamente em minha vida o suficiente para crer que a despeito das falsas amizades que se intrometem em nossas vidas, sempre Deus nos proporciona amizades verdadeiras. E é no momento de fragilidade que precisamos desses valores para não desistir de crer que existem ótimas pessoas à nossa disposição para firmarmos amizade e péssimos amigos para testar a nossa paciência e capacidade de perdoar.

Veio escrito no rodapé da agenda que ganhei este ano uma frase assim: “O falso amigo é como a sombra, só aparece quando o sol brilha.” Não veio o autor da frase, mas tem um valor embutido nela. Amigo é aquele que está conosco em todos os momentos da nossa vida, bons ou maus. O amigo de verdade é capaz de nos dizer verdades e nos apontar erros, e se somos amigos dele, em contrapartida, somos capazes de ouvir estas verdades e agradecer a Deus por tê-lo usado. Deus usa os amigos para tratar nosso comportamento, nos pontos que ainda não enxergamos, e para isso é necessário aqui a inclusão da humildade, um quebrantamento que forja a maturidade de que precisamos. Deus não usa os amigos só para nos acompanhar em momentos difíceis ou estar conosco comemorando uma vitória; Ele usa esses amigos para moldar as nossas vidas.

Em Eclesiastes 4:9-12, lemos assim:

9 É melhor ter companhia do que estar sozinho, porque maior é a recompensa do trabalho de duas pessoas.
10 Se um cair, o amigo pode ajudá-lo a levantar-se. Mas pobre do homem que cai e não tem quem o ajude a levantar-se!
11 E se dois dormirem juntos, vão manter-se aquecidos. Como, porém, manter-se aquecido sozinho?
12 Um homem sozinho pode ser vencido, mas dois conseguem defender-se. Um cordão de três dobras não se rompe com facilidade.

Que valores você tem acumulado durante o percurso da sua vida? É possível que você esteja magoado com alguém, em quem você confiou, criando em você um sentimento de revolta e conseqüentemente forma-se uma recusa em arriscar conhecer outras pessoas. Os princípios são eternos e tenha certeza que ele formou pessoas como você, corretas, que amam verdadeiramente e que estão prontas a firmar um novo laço de amizade com você. Deus tem preparado para a sua vida pessoas para estarem juntinho a você. Tenha certeza, ainda existem muitos amigos. Relacione-se, coloque Deus entre suas amizades, e assim tenho certeza que você poderá identificar aquele que Deus colocou para você. Quanto aos maus e falsos amigos, ore por eles, pois precisam da graça do Senhor e também podem ser curados. Creia!

Pr. Kelner Alcântara Queiroz

quarta-feira, 19 de maio de 2010

ONDE ESTÃO OS AMIGOS QUANDO MAIS PRECISAMOS?

Há quem diga que não existem mais amigos de verdade, e eu até entendo o desabafo de alguns, pois nesta época de desamor, violência e desconfiança, onde muitas vezes o “perigo mora ao lado” ou está até mesmo dentro de nossas casas. Fica difícil confiar em alguém para conversar, chorar e ouvir aquelas palavras que tanto precisamos ouvir naquele momento. Será que teremos infelizmente de aderir ao individualismo que anula a possibilidade de um bom relacionamento e promove a proliferação deste câncer social no meio em que vivemos?

É repugnante ligar a televisão e ver todos os dias notícias de políticos envolvidos em um mar de corrupção, policiais que andam na contramão da sua profissão, alunos agredindo professores, ao mesmo tempo em que pais, padrastos, vizinhos, amigos são contabilizados em denúncias policiais como estupradores; colegas de classe que são verdadeiras quadrilhas espancando colegas em encontros marcados muitas vezes na internet, mães que abandonam filhos à própria sorte, sacerdotes acusados de pedofilia etc.
Não dá para relacionar os fatos que nos distanciam do próximo e fragmentam a sociedade, pois são muito mais do que conhecemos. Será que no meio desta confusão ainda existem amigos de verdade? Uma passagem da Bíblia me chama a atenção: “Devido ao aumento da maldade, o amor de muitos esfriará” (Mt. 24:12). Muitos estão sendo mais seletivos na escolha de seus amigos ou amigas, devido a este fenômeno social promovido pelo inferno, e o próprio Jesus nesta passagem profetiza este fato. Ele estava falando dos últimos dias, o que tem se assemelhado muito com as características que se apresentam na atualidade. Não somos obrigados a tolerar ou até mesmo aceitar mudanças de valores a este nível. Não devemos nos moldar a esta estratégia diabólica que tenta por em risco todos os princípios que a Palavra de Deus nos apresenta, e temos que nos posicionar radicalmente em relação a isto. Existem amigos de verdade sim!
Em Provérbios 18:24, lemos “Quem tem muitos amigos pode chegar à ruína, mas existe amigo mais apegado que um irmão.” Existem amigos e amigos. Mas sempre há alguém que nos ama. Só descobriremos isto, quando nos arriscamos nos relacionamentos. Não há outra possibilidade. Relacionamento é coisa séria, criada pelo Senhor, e que precisa obedecer certos padrões para a sua escolha e manutenção. Precisamos sim tomar muito cuidado na hora de escolhê-los, mas não podemos nos omitir de tentar, senão ficaremos sós. Como a passagem descreve: “há sempre um amigo mais apegado que um irmão.” Você tem amigos? Sabe tê-los? Sabe conservá-los? Sabe amá-los?

Não preciso deles! Talvez algum dia você tenha dito isto, mas na hora que a gente mais precisa, o amigo é que está lá: “Se um cair, o amigo pode ajudá-lo a levantar-se. Mas pobre do homem que cai e não tem quem o ajude a levantar-se!” (NVI) Ec. 4:10. Às vezes lembramos das marcas deixadas por uma pessoa em quem a gente confiou e nos traiu, isso não significa que todos farão isto. Também não significa que esta pessoa não necessite do nosso perdão, você pode ter errado também com alguém que ama.
Amigo, é aquele que sabe falar o que a gente precisa ouvir, ou seja, confiamos em suas palavras e elas têm o poder de transformar o momento. É aquele que nos perdoa quando falhamos com ele, e permanece junto, porque compreendeu o outro. Amigo, é aquele que mesmo longe, lembra da gente, e não deixa de amar apesar da distância, está sempre aguardando sua volta. Ele chora conosco, e também sorri no momento certo. Fica triste com nossas falhas e ajuda a consertá-las.

Eu tenho amigos assim e dou graças a Deus. Mas conheço um que pode ser seu amigo, Ele é tudo isso que descrevi e muito mais, Ele nunca, nunca mesmo, nos abandona, nós é costumamos manter distância dele. Ele fez algo que mais ninguém no mundo fez por ninguém: Deu sua própria vida por você. Ele quer ser seu amigo... O nome dele é Jesus! Ninguém consegue descrever o amor que Ele sente por nós. Um cantor evangélico e também pastor Feliciano Amaral cantou este refrão:

Se os mares todos fossem tinta,
E os céus sem fim fossem papéis,
E as hastes todas fossem penas,
E os homens todos, escrivães...
Nem mesmo assim o amor seria,
Descrito em seu fulgor...
Oh, maravilha deslumbrante,
É esse eternal amor.

Esse amor amigo, amor eterno só um pode dar. Confie sua vida a este amigo que não te abandona nem te deixa na mão. Talvez neste momento com os problemas que você tem passado e as circunstâncias que tem vivido você tenha desistido talvez até de tentar achar este amigo, mas pode ter certeza, além da fidelidade que Ele proporciona, também nos dá novos amigos, pessoas usadas por Ele para nos ajudar nesta caminhada. Nesta vida ainda vai aparecer muitos amigos, verdadeiros e falsos, mas nunca um igual a Jesus.

“Entrega o teu caminho ao SENHOR, confia nele, e o mais ele fará.” (Salmos 37:5)

quinta-feira, 6 de maio de 2010

O DESAFIO DE OUVIR

O DESAFIO DE OUVIR (Lucas 5)

1 Certo dia Jesus estava perto do lago de Genesaré, e uma multidão o comprimia de todos os lados para ouvir a palavra de Deus.
2 Viu à beira do lago dois barcos, deixados ali pelos pescadores, que estavam lavando as suas redes.
3 Entrou num dos barcos, o que pertencia a Simão, e pediu-lhe que o afastasse um pouco da praia. Então sentou-se, e do barco ensinava o povo.
4 Tendo acabado de falar, disse a Simão: “Vá para onde as águas são mais fundas”, e a todos: “Lancem as redes para a pesca”.
5 Simão respondeu: “Mestre, esforçamo-nos a noite inteira e não pegamos nada. Mas, porque és tu quem está dizendo isto, vou lançar as redes”.
6 Quando o fizeram, pegaram tal quantidade de peixes que as redes começaram a rasgar-se.
7 Então fizeram sinais a seus companheiros no outro barco, para que viessem ajudá-los; e eles vieram e encheram ambos os barcos, ao ponto de começarem a afundar.
8 Quando Simão Pedro viu isso, prostrou-se aos pés de Jesus e disse: “Afasta-te de mim, Senhor, porque sou um homem pecador!”
9 Pois ele e todos os seus companheiros estavam perplexos com a pesca que haviam feito,
10 como também Tiago e João, os filhos de Zebedeu, sócios de Simão. Jesus disse a Simão: “Não tenha medo; de agora em diante você será pescador de homens”.
11 Eles então arrastaram seus barcos para a praia, deixaram tudo e o seguiram.

Ouvir

“Deus nos criou de maneira perfeita. Em sua sabedoria, dotou o ser  humano com uma boca só, contudo, nos colocou duas orelhas.”
desconhecido

Ouvir é uma ação que exige esforço da nossa parte. Quando não estamos dispostos a ouvir, temos uma capacidade biológica de direcionar a nossa mente de forma a não ouvir, ou no popular: “fazemos ouvido de mercador“. É discutido no meio científico que ao ouvir só retemos uma pequena parte daquilo que foi comunicado, de forma que, um bom ouvinte é um grande herói em todos os sentidos. Como está escrito em Romanos 10: 17 “Conseqüentemente, a fé vem por se ouvir a mensagem, e a mensagem é ouvida mediante a palavra de Cristo.” A falta de sabedoria está associada a não querer ouvir:

Prov. 19: 27 “Se você parar de ouvir a instrução, meu filho, irá afastar-se das palavras que dão conhecimento.”

 O bom ouvinte é capaz de:

1.       Evitar a distração - (v. 1) – Aquela multidão queria ouvir Jesus falar, muito embora uma grande multidão os comprimia, ouvia atentamente o que Jesus falava. Todos ficavam extremamente atentos para ouvir as Palavras da verdade.

ü  Evitar a distração começa com reverência. É uma ordem! (Eclesiastes 5: 1) “Quando você for ao santuário de Deus, seja reverente. Quem se aproxima para ouvir é melhor do que os tolos que oferecem sacrifício sem saber que estão agindo mal.”
ü  Para evitar a distração é necessário deixar de lado pensamentos que dispersam nossa atenção. Hebreus 3:1 “Portanto, santos irmãos, participantes do chamado celestial, fixem os seus pensamentos em Jesus, apóstolo e sumo sacerdote que confessamos.”)

2.       Estar pronto para confrontar seus próprios conceitos. (vv. 4, 5) – Na dinâmica de Pedro, ele já havia feito tudo o que era possível para pescar corretamente, mas mesmo diante da sua experiência tomou a decisão de crer na impossibilidade. Agora não era mais o conhecimento de Pedro na arte da pesca (conhecimento humano), agora era tão somente confiar.

ü  Reconhecendo sua pequenez. Quando somos capazes de derrubar conceitos construídos durante toda a nossa vida aceitar o que Ele tem pra nós é sinal de que começamos a ouví-Lo. (Isaias 55:9 “Assim como os céus são mais altos do que a terra, também os meus caminhos são mais altos do que os seus caminhos, e os meus pensamentos, mais altos do que os seus
pensamentos.”)
ü  Obedecendo a Ele sem restrições. Quando fixamos nossas metas no Senhor Jesus, seremos capazes não somente de ouvi-Lo, mas também de obedecê-Lo. (Hebreus 3:1 “Portanto, santos irmãos, participantes do chamado celestial, fixem os seus pensamentos em Jesus, apóstolo e sumo sacerdote que confessamos..”)

3.       É transformado pelas palavras do Senhor Jesus. (VV. 9-11) – Aquele que sabe ouvir também é transformado pelo que ouve. Ouvir palavras que mexem com nossos conceitos e deixar que elas provoquem mudanças em nossa história de vida sinaliza que houve maturidade e ousadia no processo de aprendizado. Há pelo menos quatro benefícios para aquele que sabe ouvir, como já citamos acima em Romanos 10: 17 “Conseqüentemente, a fé vem por se ouvir a mensagem, e a mensagem é ouvida mediante a palavra de Cristo.”

ü  O benefício da sabedoria. (Mateus 7:24) “Portanto, quem ouve estas minhas palavras e as pratica é como um homem prudente que construiu a sua casa sobre a rocha..”
ü  O benefício da felicidade. (Pv. 8:34) “Como é feliz o homem que me ouve, vigiando diariamente à minha porta, esperando junto às portas da minha casa.”
ü  O benefício da cura. (Mt.13:15) “Pois o coração deste povo se tornou insensível; de má vontade ouviram com os seus ouvidos,e fecharam os seus olhos. Se assim não fosse, poderiam ver com os olhos, ouvir com os ouvidos,entender com o coração e converter-se, e eu os curaria”.
ü  O benefício da vida eterna. (João 5:24)  Eu lhes asseguro: Quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna e não será condenado, mas já passou da morte para a vida.”

É sempre mais difícil ouvir do que falar, mas saber ouvir traz conseqüências benéficas ao homem, principalmente no que diz respeito ao relacionamento com Deus e depois com o próximo. É uma terapia que transforma, cura, liberta e salva. Faça como Pedro: “Mas, porque és tu quem está dizendo isto, vou lançar as redes”. Obedeça a Jesus, ouça-o no Pequeno Grupo que você participa ou em outras reuniões da igreja, ou mesmo quando Deus usar alguém para falar com você.

Um forte abraço, Pr. Kelner

quinta-feira, 8 de abril de 2010

A QUE VOCE ESTÁ SE APEGANDO?

Jeremias 13: 1-14 (N.V.I.)

1 Assim me disse o Senhor: “Vá comprar um cinto de linho e ponha-o em volta da cintura, mas não o deixe encostar na água”.
2 Comprei um cinto e o pus em volta da cintura, como o Senhor me havia instruído.
3 O Senhor me dirigiu a palavra pela segunda vez, dizendo:
4 “Pegue o cinto que você comprou e está usando, vá agora a Perate e esconda-o ali numa fenda da rocha”.
5 Assim, fui e o escondi em Perate, conforme o Senhor me havia ordenado.
6 Depois de muitos dias, o Senhor me disse: “Vá agora a Perate e pegue o cinto que lhe ordenei que escondesse ali”.
7 Então fui a Perate, desenterrei o cinto e o tirei do lugar em que o havia escondido. O cinto estava podre e se tornara completamente inútil.
8 E o Senhor dirigiu-me a palavra, dizendo:
9 “Assim diz o Senhor: Do mesmo modo também arruinarei o orgulho de Judá e o orgulho desmedido de Jerusalém.
10 Este povo ímpio, que se recusa a ouvir as minhas palavras, que age segundo a dureza de seus corações, seguindo outros deuses para prestar-lhes culto e adorá-los, que este povo seja como aquele cinto: completamente inútil!
11 Assim como um cinto se apega à cintura de um homem, da mesma forma fiz com que toda a comunidade de Israel e toda a comunidade de Judá se apegasse a mim, para que fosse o meu povo para o meu renome, louvor e honra. “Mas eles não me ouviram”, declara o Senhor.

Não sei você, mas eu estou perplexo com tudo o que está acontecendo ao meu redor. Imagino até o que pode estar acontecendo ao redor de vocês. Ontem faltou energia em minha casa desde as 16:00h. Até o horário que eu acordei para trabalhar, ainda assim estava faltando. Como todas as coisas que funcionam dependentes da eletricidade não funcionaram, é claro, eu que sou dependente delas senti muita falta. Isso me fez recordar quando no sítio, sem energia ou qualquer item de conforto, em minha infância, gostava da situação. Aquilo fazia tão bem à família, porque nos juntava para conversar, adorar a Deus, contar histórias, ou seja, nos mantinha unidos. Como nós dependemos e nos apegamos a coisas que nos afastam do Senhor. Não estou me referindo a eletrodomésticos, mas a prioridades.

O Senhor nos compara a linho, que simboliza a pureza. Enquanto o cinto estava apegado à cintura do profeta, ele permanecia limpo, seguro, etc. Mas quando o cinto é colocado em uma fenda de rocha, as ações que o comprimiam o fizeram apodrecer.  Nós realmente temos que ficar alertas àquilo a que nos apegamos, pois podem nos trazer conseqüências danosas. Você já se sentiu assim? Longe da presença do Senhor o suficiente para se contaminar? O próprio profeta Jeremias declara as palavras de Deus no cap. 2:13 “O meu povo cometeu dois crimes: eles me abandonaram, a mim, a fonte de água viva; e cavaram as suas próprias cisternas,cisternas rachadas que não retêm água.” É evidente que a proximidade a Deus é bênção para a nossa vida e a distância do Eterno é encrenca, pois ainda estamos em carne. Bom é estar com o Senhor, no manancial de águas vivas, águas correntes. Todas as tentativas de “se dar bem” sem este manancial, é achar que não necessita do Altíssimo, é confiar em si mesmo.  É verdade que o Senhor Jesus nos deu uma missão que nos coloca no centro de tudo aquilo que pode nos contaminar. É uma decisão exclusiva e pessoal, decidir onde devemos estar apegados, para de forma nenhuma cairmos e esquecermos quem nos resgatou.

No caso de Jeremias, O Senhor estava se referindo ao adultério espiritual, a abandonar o Deus verdadeiro e substituí-lo por deuses falsos. Ao contrário do que muita gente pensa, fazemos assim também quando tiramos a prioridade de buscar o Reino de Deus e nos apegamos a coisas que nos afastam dEle. Que tal desapegarmos daquilo que pode ou nos afasta da presença do Senhor?

sábado, 6 de fevereiro de 2010

A fé vem pelo ouvir, e as mudanças também

“Conseqüentemente, a fé vem por se ouvir a mensagem, e a mensagem é ouvida mediante a palavra de Cristo.” (Rom. 10:17)

Posso imaginar você talvez lutando com todas as suas forças para “vencer” um “gigante” que conseguiu te meter medo e ter mantido você preso, fazendo-o dependente de um pecado, vicio ou qualquer coisa que invadiu seu consciente- inconsciente, e de vez em quando vem à tona apontando sua culpa, seus deslizes ou até mesmo sua omissão. O modo operacional que leva a pessoa a repetir as mesmas coisas que devoram sua estabilidade emocional e bloqueia a sensação de felicidade, funciona como uma compulsão e retira do indivíduo – naquele momento – todo o senso moral e ético, e se mostra como uma parede que veda os seus olhos até que aquilo o leve novamente ao erro. Qualquer dependente químico necessita ardentemente alimentar-se com aquilo que o destrói, porque seu corpo já está contaminado e subjugado pela substância que macula cada vez mais sua vida. Ele precisa passar por um processo de descontaminação, que não funcionará se não for precedido pela vontade de se libertar e nutrir um forte desejo de mudança. Assim também é com erro compulsivo; a pessoa precisa ter consciência do problema, querer mudança, e permitir sua descontaminação, tendo o cuidado de se manter distante daquilo que o fez cair.

Algumas vezes, esses “medos” que nos acompanham fazem parte de marcas (traumas) inseridos no percurso da nossa vida, que só serão curados a partir do momento em que externarmos nossa dor e decepções, colocando-as para fora. Para Este enfrentamento é necessário coragem porque nesta hora, diante do “espelho” da nossa alma, teremos que tomar uma decisão: permanecer sob a o domínio sufocante e depressivo dos medos, raízes de amargura, etc; ou colocarmos para fora tudo aquilo que nos aflige e ficar livre de todo o peso.

Em Mateus 11: 28-30 Jesus dá a fórmula infalível para vencer essas dificuldades.

28 “Venham a mim, todos os que estão cansados e sobrecarregados, e eu lhes darei descanso.
29 Tomem sobre vocês o meu jugo e aprendam de mim, pois sou manso e humilde de coração, e vocês encontrarão descanso para as suas almas.
30 Pois o meu jugo é suave e o meu fardo é leve”.

Você consegue ouvir Jesus dizendo isso para você: “Venham a mim...” todos? Quando Ele propõe dividir o jugo - peça de madeira, em geral pesada, criada para encaixar-se por cima do pescoço de animais (em geral bois) e ligada a um arado ou a um carro – e dividir o jugo pressupõe que como dois animais dividem a mesma carga ao usá-lo, Jesus estará com você dividindo todos o peso da carga que você carrega, e te ajudará a andar no caminho certo.

Ao ouvir de Jesus em sua promessa e crer em sua Palavra de vida, Ele vai operar um milagre na sua vida. Pode ser aquela compulsão (TOC), raiz de amargura, depressão, angustia ou qualquer outra coisa que tire você do rumo certo ou faça você parar. Deus está falando com você? Você não está ouvindo ainda a doce voz do Senhor Jesus? As mudanças que podem acontecer em sua vida dependem da sua vontade de querer que Ele aja em sua vida. Você não precisa repetir os mesmos erros! Divida a sua carga e receba o jugo que O Senhor propõe, é confessar (externar) a Deus tudo o que está “dentro de você”, compartilhando com aquele que criou tua vida a tua necessidade. Ele quer te ver feliz!

“Senhor é a minha força e o meu escudo; nele o meu coração confia, e dele recebo ajuda. Meu coração exulta de alegria, e com o meu cântico lhe darei graças.” (Salmo 28:7)

Pr. Kelner Alcântara Queiroz